Nota de repúdio e infâmia


Note pública do Presbitério da Igreja Puritana Reformada no Brasil

Assunto: Nota de repúdio e infâmia

Data: 23/05/20

A Igreja Puritana Reformada declara seu repúdio e torna pública a infâmia da Sra. Heloísa Helena Ramos, a saber, mãe do Rev. Ademir Albino Moreira Filho. A repúdia e a infâmia é igualmente declarada a respeito de quaisquer de seus associados (Parentes e familiares, Vizinhos, Agentes do Governo e/ou prestadores de serviços) pelos atos de impiedade, contra toda a Verdade do Evangelho, bem como contra todo o testemunho e a fé professadas pela IPRB e seus membros, de modo a ferir a Igreja de Cristo. Alguns destes atos são narrados a seguir, estando condenada contudo, toda a impiedade por estes homens que seja de similar natureza (a qual fere o Testemunho Histórico de nossa fé e promovem o engrandecimento do anticristianismo neste mundo): Desde feita a profissão de fé em Cristo Jesus pelo Pr. Ademir e sua esposa, em meados de 2004, até o momento de hoje, intercalados com a formação da IPRB, na cidade de Angra dos Reis -RJ, onde o Reverendo e sua família vieram a residir, houve um terrível e macabro conluio dos progenitores do Pastor Ademir Moreira, (em associação com sua família estendida, vizinhos e outros), com o intuito de espionar, caluniar, difamar e destruir a IPRB, bem como ao Reverendo Ademir Moreira e sua família, agindo estes inimigos como vera roda de escarnecedores (Sl. 1). A referida Sra. e seus associados propagaram ser a IPRB “uma seita”, alegando que as doutrinas são rígidas e ultrapassadas, bem como zombando de toda prática da piedade  (ultrajados pelo exercício da disciplina familiar e modéstia no vestir, pela crescente aplicação da separação social voluntária e pela cada vez mais firme posição do Rev. Ademir e esposa contra toda idolatria e superstição), movidos pelo amor ao pecado, aproveitando-se do recente falecimento do Rev. Elmir Júnior, as ofensas e ataques, dantes mais pessoais, escalonaram para um premeditado uso da sociedade e poderes civis anticristãos, através de denúncias perversas e mentirosas a diferentes órgãos do poder público, que, acrescidas à já constante campanha difamatória por pouco não causou ataques físicos ao pregador e esposa. Somente a Providência Divina os livrou e permitiu que escapasse ocultos de madrugada para uma nova residência distante, porém no mesmo município. Os danos emocionais e materiais estavam feitos, e, após anos de dedicação da Igreja Puritana, a obra de pregação do Evangelho naquela cidade teve de ser abandonada. O assédio porém não teve fim, quando este mesmo conluio continuou a usar suas garras e a evocar outros para a agência do mal. 

A perseguição ainda estende-se até o momento atual, sendo de semelhante teor e intensidade, apesar transferência de residência do Pr. Ademir Moreira para outro Estado, a saber, Minas Gerais. Estas informações, bem como a ação voluntária na perseguição (inclusive mediante subornos – cf. Sl. 15, Pv. 26:10) são partilhadas, apoiadas e confirmadas pela própria filha da Sra. Heloísa Helena Ramos, a saber, Alina Ramos Luiz. Soma-se a isto e agrava os fatos as seguintes manifestações de sujeição aos poderes seculares anticristãos e a todas as concupiscências próprias daqueles que rejeitam a Cristo e amam este mundo; tais como demonstrados pela Sra. Heloísa Helena Ramos e relatadas a seguir:

  • Dedicação aos ideais positivistas, socialistas e feministas no serviço dos poderes das trevas. Quando Conselheira Tutelar e Técnica da Vara de Família no Fórum de Angra dos Reis, operando na denúncia e desmantelamento de diversas famílias, e na usurpação pelo Estado dos poderes e responsabilidades familiares, bem como em detrimento da própria, utilizando-se premeditadamente da sociedade e poderes anticristãos, aliada  diversos associados para estes fins;
  • A marca de adultério por anos a fio, quando a mesma separada do pai do Reverendo Ademir Moreira, amaziou-se com o Sr. Ilton dos Santos Luiz, igualmente proveniente de um casamento anterior, culpado do abandono da primeira esposa. Este terrível pecado ocorreu enquanto o pai do Pr. Ademir ainda vive e este, por sua vez, também contraiu um novo relacionamento, de imodesto e imprudente nível de consanguineidade;
  • A filiação e atuação no Partido dos Trabalhadores (PT), donde defendem e propagam filosofias comunistas blasfemas e se associam aos mais pérfidos dentre os pérfidos conscientes promotores da iniquidade;
  • A membresia aceita pela Igreja Presbiteriana do Brasil, de ambos os citados (Sra. Heloísa e Sr. Ilton), após diversas admoestações contrárias,  o que corrobora a mortificação da consciência e a falsa aparência de piedade da mãe e do padrasto do Pr. Ademir; ressalta-se que a dita IPB separa-se da IPRB em toda Sã Doutrina e Prática, sendo considerados proibidos pela IPB qualquer contato ou comunhão com membros da IPRB, e que os tai, portanto, têm uma profissão de fé superficial e leviana;

No tocante à responsabilidade do Reverendo Ademir à facilitação e à permanência de contato com tal Sra. e seus associados enquanto nos planos e na prática do mal, está a adesão deste logo após sua conversão e a membresia à Igreja Batista onde fora inicialmente instruído na fé, aos princípios desnorteadores ensinados por Abraham Kuyper. A lentidão e a falta de grande firmeza no agir (que poderia inibir o avanço do mal), em consonância com a ignorância do conhecimento do Testemunho Histórico Puritano e Covenanter, levou o mesmo e à sua família a grande pesar.

Por fim, somente a Providência Divina livrou o Pr. Ademir e sua família de tamanha maldade e os condiziu para um lugar espaçoso e, contra tudo que se podia esperar, deu-lhes boas fronteiras e tudo de que necessitam (comina, bebida e abrigo) quando não possuíam recursos ou ajuda de nenhuma parte. As denúncias, calúnias, os processos judiciais, as ameaças (físicas e morais) somente não tiveram sucesso pois Cristo venceu a todas. 

Desde 2015 o Rev. Ademir rompeu os vínculos com os infames aqui denunciados, encerrando visitas domiciliares e outras relações sociais infrutuosas com estes. Resta uma advertência quanto àqueles que mantêm ou mantiveram contato com tais pessoas, contra a recomendação e vontade do Pr. Ademir e sua família, seja dentro ou fora da IPRB. Tal decisão tem amparo doutrinário e histórico adotado pela IPRB segundo a doutrina das “Associações Voluntárias” e suas implicações, escritas por exemplo por Gillespie e outros Covenanters.  Pesa a culpa sobre os que não foram instrumentos imediatos, contudo, também não guardam a separação bíblica voluntária, para com os que se mostram ímpios, profanos, idólatras ou hipócritas, através de seus atos, palavras e orações.

Os ímpios porém nunca descansam, e não cessam de tramar suas teias.  

Daí a necessidade imperiosa de alertar a Igreja Puritana para afastarem-se de quaisquer contatos com estas pessoas ou associados. Considerai-os como publicanos.

Igualmente afastem de seus corações o veneno kuyperiano e libertino. A salvação provém de uma obra soberana do Espirito de Deus e é o único meio para está obra é a pregação. Relações sociais não salvam, nem santificam. O ímpio, pelo poder da carne que vive ainda em nós tem capacidade de nos corromper e nos tornar piores bem como nós a eles, se não os recompensarmos e combatermos o mal, e todo pecado que há neles. Nós,  que dependemos do Espirito que sopra onde e quando quer, e exclusivamente da pregação, carecemos portanto de poder para melhorar o ímpio; a carne, contudo, que ainda vive em nós tem poder para corrompê-lo mais, endurecê-lo mais e torna-lo ainda pior. Impessoalmente dêem o copo de água ao incapaz que morre de sede, impessoalmente dêem o pão ao incapaz que morre de fome. Mas não venham a premiar o vagabundo e o hipócrita, sobretudo não nutram relações sociais voluntárias com os inimigos de nosso Rei, para não serem achados em Sodoma no dia da visitação com fogo e enxofre. E, ao sair de Sodoma, não olheis para trás.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *